Couraça da Justiça, a Proteção Contra Ataques Surpresa do Inimigo

Couraça da Justiça

Compartilhe Esse Estudo!

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp

A Couraça da Justiça é a segunda peça da armadura de Deus que o apóstolo Paulo listou em Efésios 6:14.

Os soldados daquela época tinham outra peça de armadura de proteção para repelir os golpes do inimigo – o escudo. Mas durante o calor da batalha, esses golpes podem vir de direções inesperadas, e só o escudo não era suficiente para proteção. Sendo assim a couraça fornecia proteção contra os ataques inesperados.

O peitoral usado pelos soldados romanos era geralmente feito de ferro, embora alguns soldados mais ricos usassem o peitoral de bronze.

Consistia em peças de metal sobrepostas com as seções frontal e traseira conectadas. Havia peças arredondadas protegendo os ombros e o peitoral geralmente ficava nos quadris do soldado para que todo o peso não fosse carregado nos ombros.

As peças sobrepostas permitiram maior flexibilidade de movimento. Esta peça de armadura protegia os órgãos vitais do soldado durante a batalha.

Como a couraça da justiça nos protege?

O apóstolo Paulo faz outra comparação entre a vida cristã e a guerra em uma de suas cartas aos coríntios: “Pois, embora andemos na carne, não guerreamos segundo a carne. Pois as armas da nossa guerra não são carnais, mas poderosas em Deus para destruir fortalezas, derrubar argumentos e toda altivez que se exalta contra o conhecimento de Deus, levando cativo todo pensamento à obediência de Cristo” (2 Coríntios 10: 3-5).

Os inimigos do cristão descritos nesses versículos são espirituais e podem vir até nós de forma inesperada.  A couraça da justiça é uma das nossas principais defesas contra esses ataques inesperados.

Todo cristão precisa busca viver uma vida de forma justa. Quando você age com justiça automaticamente Deus vai te proteger contra os ataques do inimigo.

O Senhor promete grandes recompensas para aqueles que seguem o caminho da justiça: “As riquezas não se aproveitam no dia da ira, mas a justiça livra da morte. A justiça do irrepreensível direcionará seu caminho corretamente, mas o ímpio cairá por sua própria maldade. A justiça dos retos os livrará, mas os infiéis serão apanhados pela sua concupiscência” (Provérbios 11: 4-6).

Como andar em justiça?

Design sem nome 23 - Couraça da Justiça, a Proteção Contra Ataques Surpresa do Inimigo

Então, se Deus nos diz para colocar a couraça da justiça como uma parte importante de nossa armadura, como devemos fazer isso? E o que realmente significa ser justo?

Uma das maneiras como a Bíblia define a justiça é através dos mandamentos de Deus: “A minha língua falará da tua palavra, porque todos os teus mandamentos são justiça” (Salmo 119:172).

Mesmo nos esforçando para sermos perfeitos, niguém conseguirá. Porém, em Jesus Cristo somos justificados. Romanos 3:22-23 nos diz que “justiça de Deus mediante a fé em Jesus Cristo para todos os que crêem. Não há distinção, pois todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus,
sendo justificados gratuitamente por sua graça, por meio da redenção que há em Cristo Jesus.

É importante entender que precisamos nos revestir de justiça, embora sabemos que não somos completamente justos.  Se a perfeição completa fosse um requisito, todos ficaríamos aquém do padrão.

Abraão começou com uma crença inabalável (fé) de que Deus faria o que Ele disse. Mas ele não se limitou a uma simples crença. Abraão baseou as ações de sua vida na fé em Deus!

Hebreus 11 dá mais um relato da relação entre a fé de Abraão e suas ações: “Pela fé Abraão obedeceu quando foi chamado para ir ao lugar que mais tarde receberia por herança. E ele saiu, sem saber para onde estava indo. Pela fé, ele habitou na terra da promessa como em um país estrangeiro, morando em tendas com Isaque e Jacó, os herdeiros com ele da mesma promessa” (Hebreus 11: 8-9).

Os mandamentos de Deus são justiça. Abraão apoiou sua fé com a obediência aos mandamentos que recebeu de Deus, e se fizermos o mesmo, isso será contabilizado como justiça para nós, assim como foi para Abraão.

Como as pessoas imperfeitas podem ser justas?

Não é surpreendente que Abraão tenha sido listado na Bíblia como um exemplo de justiça. Sua fé e disposição de obedecer a Deus em tudo o que lhe foi ordenado estão bem documentadas. Vejamos outro homem que foi chamado de justo na Bíblia – cuja justiça não é óbvia à primeira vista. Vamos considerar o sobrinho de Abraão, Ló, que é listado como outro homem justo.

A história de Ló está registrada em Gênesis 19. Ele morava com sua família em uma cidade chamada Sodoma – uma das cidades mais tarde destruídas por Deus devido à grande iniquidade que ali ocorreu.

Na primeira parte do capítulo, dois anjos (aparecendo na forma de homens) vieram visitar Ló. Ele os alimentou e lhes deu uma noite de hospedagem em sua casa (Gênesis 19: 1-3). Quando os homens da cidade vieram à casa e exigiram que ele enviasse seus visitantes para serem abusados ​​sexualmente, Ló ofereceu suas filhas em vez deles!

Os anjos cegaram os homens da cidade para proteger Ló e disseram que ele precisava pegar sua família e fugir da cidade imediatamente. Ló inicialmente demorou, mas quando os anjos o pegaram pela mão e lhe disseram para fugir sem olhar para trás, ele o fez (Gênesis 19: 4-16).

Como Ló foi considerado um homem justo? Observe 2 Pedro 2: 6-7: “E, transformando em cinzas as cidades de Sodoma e Gomorra, condenou-as à destruição, tornando-as exemplo para os que depois viveriam impiamente; e libertou o justo Ló, que foi oprimido pela conduta imunda dos ímpios.

Em vez de adotar os caminhos pecaminosos daqueles ao seu redor, Ló continuou a obedecer a Deus e ficou profundamente perturbado com a ilegalidade e o pecado que aconteciam ao seu redor. E quando Deus lhe ordenou que fugisse da cidade, deixando para trás tudo que possuía, Ló o fez sem olhar para trás.

Sua obediência aos mandamentos de Deus e seu desejo de seguir o modo de vida dado por Deus fizeram de Ló um homem justo. E a “couraça da justiça” salvou Ló da destruição!

A justiça de Deus e a justiça do homem

Design sem nome 24 - Couraça da Justiça, a Proteção Contra Ataques Surpresa do Inimigo

O que nós, como humanos, podemos considerar justo (e agradável a Deus) nem sempre se alinha com o que Deus chama de justo.

Antes de escrever sobre a armadura de Deus, antes de se tornar seguidor de Jesus Cristo, Paulo era fariseu.

Os fariseus eram judeus que colocavam grande ênfase em obedecer mais do que apenas aos mandamentos de Deus – eles obedeciam a um conjunto extra de mandamentos feitos pelo homem além dos mandamentos de Deus. Eles acreditavam que sua obediência a esses mandamentos extras os manteria longe do pecado (e, portanto, os tornaria justos).

Anos depois de sua conversão, Paulo escreveu que seu objetivo era “ganhar a Cristo e ser achado nEle, não tendo a minha própria justiça, que vem da lei, mas a que vem pela fé em Cristo, a justiça que vem de Deus pela fé” (Filipenses 3: 8-9).

Paulo estava se referindo à lei de Deus, não às leis farisaicas feitas pelo homem. E embora as leis de Deus definam a conduta que é justa, mesmo se pudéssemos guardar essas leis perfeitamente (e ninguém pode), ainda si, necessitamos ter nossos pecados perdoados por Jesus Cristo.

Em outras palavras, nosso objetivo é nos revestir da justiça de Deus, e essa justiça se torna nossa quando nos comprometemos a dar um passo de fé e obedecer aos mandamentos de Deus.

Leia também:

Capacete da Salvação

Escudo da Fé

Espada do Espirito

Compartilhe Esse Estudo!

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp

Leia Mais Aqui:

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.